segunda-feira, 24 de setembro de 2012

As mãos que cozinham são também mãos que cuidam

Dizem que cozinhar é um ato de amor.

Acredito que sim!

Talvez porque conheço pessoas que diariamente cozinham e cuidam de muitas vidas com amor.

No Abrigo sabemos que existem rostos mais visíveis que outros. Pessoas que, pela função ou tarefa que executam, não estão em contacto direto com as pessoas, mas que são diariamente imprescindíveis.

Hoje, aqui, agora, estas palavras são sobre um desses rostos menos visíveis.

Madalena é o seu nome. 65 anos feitos em Abril e uma vontade enorme de continuar a trabalhar naquela que diz ser a sua segunda casa. E, é claro, que quando alguém está a trabalhar e diz sentir-se bem como em sua casa é, sem dúvida, uma pessoa especial que queremos sempre connosco. Com uma capacidade enorme de trabalho e uma dedicação sem fim, a Madalena nunca diz não a nada. Tudo se faz.

Amiga de todos e por todos muito querida. Delicada, com um sorriso tímido, genuíno e generoso, para todas as pessoas. A Madalena tem uma ternura e doçura sem fim.

Neste momento da sua vida, difícil e assustador, continua a sorrir e mais uma vez a ser um exemplo para todas nós.

É em momentos como estes que sabemos que os laços que se construiram ao longo de muitas horas e dias e dias de trabalho são laços de verdadeira afeição e amizade.

Até breve!

texto escrito por Alexandra Silva