segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Trio Gourmet

O Trio Gourmet
Sua história
Ele nasceu de ideais bem definidos, acompanhados de sonhos mais ou menos realistas e de enormes doses de obstinação, perseverança e obsessão. Nossa maior motivação no princípio foi tentar realizar algo que as pessoas estivessem inconscientemente desejando.A vontade de empreender foi diretamente proporcional ao prazer de acertar neste alvo. Não via o Trio apenas como um negócio, mas sim como uma enorme paixão. Sempre acreditei que o lucro é decorrência de um trabalho bem feito. Se houver amor nessa proposta, o lucro virá com naturalidade. Hoje temos convicção de que no Trio não servimos só comida, mas também carinho e amor pelo que fazemos.
O Trio Gourmet nasceu  da carência que um de seus sócios fundadores observava no mercado de restaurantes do centro da cidade, em 2010. Na época comia-se em restaurantes tradicionais, sisudos e tipicamente voltados para o público que trabalha no centro e para os passantes. A comida era substanciosa, gordurosa com muito churrasco, o serviço era comum e os preços semelhantes aos espaços abertos a esse público. O consumidor era vencido pela mesmice e pela falta de opção. Deste panorama nasceu a nossa proposta culinária que elegeu a salada como prato principal de uma gastronomia mais leve, saudável e adequada ao nosso clima. O público-alvo era as pessoas que trabalhavam e almoçavam diariamente no Centro e que perceberiam aos poucos os ganhos que teriam com essa proposta.
Tivemos a sorte de criar um novo conceito de salada, mais substanciosa e variada. A razão maior do sucesso deste novo produto foi criar misturas inusitadas e impensáveis para a comida a quilo,  usando carnes, peixes, cereais, grãos, frutas, laticínios, junto com verduras, legumes e tubérculos etc.
Pretendíamos também inovar na ambientação. Assim sendo, queríamos que as pessoas sentassem em qualquer lugar, mesmo junto com outras. A escassez de lugares permitiu que isso acontecesse e muitas amizades. O Trio virou referência gastronômica. A decoração, também inusitada, em muito contribuiu para transformar aquela hora do almoço num momento agradável e descontraído.
Por último, nos impusemos a viabilizar preços compatíveis com nossos produtos e qualidade de apresentação que surpreendessem o cliente quando ele avaliasse a relação custo-benefício. De nada adiantaria essas descobertas e inovações se não gostássemos de trabalhar muito, de servir e de lidar com pessoas! Quando abrimos as portas tínhamos a necessidade de fornecer aos nossos clientes e amigos uma comida melhor e dedicada a ele. Tivemos que ser criativos dia a dia, ampliar a mente às necessidades dos clientes, compramos novos equipamentos e aprendemos  a administrar um furacão de exigências para as quais não estávamos absolutamente preparados. Erramos tudo que podíamos errar. Não éramos do ramo e não tínhamos a menor idéia das dificuldades que estariam por vir.
Para criar o Trio alguns paradigmas muito enraizados em nossa cultura tiveram que ser vencidos:
Ser proprietário de restaurante no centro era loucura, afinal era um investimento muito alto, ainda mais em Goiânia, uma cidade  acostumada com a comida da “roça”. Colocar a gastronomia internacional a quilo combinada com a culinária de fusão era   uma atividade para pessoas inovadoras e um pouco malucas. Havia uma disfarçada aversão por parte da sociedade aos pequenos negócios, considerados como atividades de menor "status" social. Trocar uma carreira por um pequeno negócio era uma aventura impensável. O segundo paradigma dizia respeito ao comércio do Centro da cidade, cujo perfil era muito antigo, restrito e conservador, avesso portanto a inovações. Outro interessante paradigma a ser quebrado foi o da fusiolidade  do Trio, que é uma de suas características mais marcantes.
O nome "Trio Gourmet" traduziu com precisão tudo o que sentíamos na faculdade e em 01/10/2011, depois de muito sofrimento com obras e imprevistos, abrimos as portas ainda com muito improviso e muito por fazer. Muitos funcionários que fundaram esta empresa e passaram por toda esta agonia inicial, felizmente ainda estão conosco. Outros que se foram são amigos que até hoje.